terça-feira, 31 de maio de 2016

Download gratuito Programa de Capacitação em Compras Sustentáveis

O engajamento de fornecedores na gestão de sustentabilidade é hoje um imperativo dos negócios e suas vantagens são inúmeras.



Promovendo a Sustentabilidade na Cadeia de Suprimentos.

Com a globalização e expansão de mercados, o grau de complexidade da gestão e monitoramento de fornecedores aumentou substancialmente. As transações envolvendo suprimentos estão cada vez mais vulneráveis a catástrofes naturais, conflitos civis, conflitos culturais e legais, explorações indevidas e muitos outros riscos comuns. Em alguns casos, cadeias de suprimento podem ser assustadoramente frágeis.

Além de redução de custos operacionais, uma melhor gestão da sustentabilidade na cadeia de suprimento pode melhorar a eficiência operacional, o relacionamento com o fornecedor, mitigar riscos, fortalecer a imagem da empresa e contribuir para o desenvolvimento da comunidade local. 

Sustentabilidade é imperativo para os negócios.

Uma publicação CEBDS - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável 

Para acessar o Programa de Capacitação em Compras Sustentáveis Clique aqui.

Para acessar o Manual de compras sustentáveis Clique aqui.

Para acessar a nossa Biblioteca completa Clique aqui.


 

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Sabesp testa nova tecnologia movida a energia eólica com economia anual superior a R$ 100 mil.

A Estação Elevatória de Água (EEA) de Sapopemba (SP) poderá se tornar a pioneira da Sabesp no uso de energia eólica (renovável).




A estação já recebeu a instalação de um anemômetro​, aparelho que mede a velocidade dos ventos, que já apontou que o local está apto para receber as duas turbinas de vento. 
Com essa tecnologia, advinda da Itália, a estação elevatória, que consome cerca de 100 mil kW.h/ano, poderá ter uma economia anual superior a R$ 100 mil, além de torna-la autossuficiente na geração de energia. 

As instalações das turbinas verticais são inovadoras e compactas. Este tipo de modelo é mais específico e adequado para áreas urbanas, pois possuem melhor eficiência em ventos turbulentos. No Brasil, as turbinas horizontais são mais comuns, porém são inviáveis por ocupar muito espaço.
A unidade de negócio Centro da Sabesp, criadora do projeto piloto, informa que a energia gerada será interligada à rede da concessionária (sistema on-grid). 

Outra alternativa a ser avaliada, é o sistema híbrido, ou seja, eólico e solar, visto que um complementa o outro. Enquanto estiver ventando bastante, o aproveitamento será do eólico e nos dias de muito sol e pouco vento, utilizaria-se o sistema solar.

A Sabesp aguarda a conclusão dos estudos de viabilidade técnica e financeira para dar sequência ao projeto. Contudo, a ideia é levar essa tecnologia para outras unidades da companhia, como estações de tratamento ou elevatórias de água e esgotos, reservatórios, entre outros. 
Atualmente, a EEA Sapopemba é responsável por abastecer mais de 19 mil habitantes dos bairros da Fazenda da Juta, Parque Santa Madalena, Jardim Adutora e Jardim Sapopemba.



sábado, 28 de maio de 2016

Público anda de graça em ônibus a energia solar na Austrália

O país é o primeiro do mundo a colocar nas ruas ônibus movidos à energia solar, que garantem tarifa zero para o serviço.


Enquanto muitos brasileiros sonham com o transporte público gratuito e de qualidade, na Austrália a população já usufrui do benefício.
Além de gratuitos, os ônibus solares possuem wi-fi e ar-condicionado. É ou não é o sonho de qualquer passageiro? Na Austrália, já virou realidade e poderia virar também aqui no Brasil, um dos países com maior incidência solar do mundo.

A ideia foi da empresa Adelaide Connector Bus, uma das maiores companhias de transporte público da cidade de Adelaide. É lá que estão rodando os primeiros ônibus solares da Austrália, equipados no teto com placas fotovoltaicas fornecidas pelo próprio Estado.

Com forte incidência solar, as placas produzem praticamente toda a energia necessária para a locomoção dos ônibus. Os outros 30% vêm dos freios dos veículos, que possuem sistema de frenagem capaz de transformar o impacto dos freios no asfalto em eletricidade.
Desde que começou a rodar, em fevereiro, a frota já percorreu mais de 60 mil quilômetros pelas ruas de Adelaide e evitou a queima de 14 mil litros de diesel na atmosfera.

Assista no vídeo abaixo mais informações sobre o ônibus solar:


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Download gratuito manual de compras sustentáveis

Sabemos da importância de aliar ao processo de compras critérios capazes de incorporar, além do melhor retorno financeiro, o melhor retorno ambiental e social


Os benefícios de se realizar compras mais sustentáveis nos setores público e
privado já demonstraram porque precisamos adotar novos critérios de homologação e seleção de fornecedores. A contribuição deste manual, ao criar uma metodologia capaz de atender aos mais variados segmentos, é sair do “por quê” para o “como”, oferecendo ao profissional da área de Compras uma ferramenta capaz de incorporar critérios de sustentabilidade relevantes para a
empresa na seleção de seus fornecedores.

Na expectativa de um avanço significativo na incorporação da sustentabilidade nas práticas de compras das empresas que atuam no Brasil, o Manual orienta o comprador sobre a necessidade de adotar uma visão sistêmica e uma comunicação transparente, tanto internamente, com as áreas dedicadas ao tema, quanto com seus fornecedores e clientes. O presente Manual apresenta uma metodologia aberta e personalizável, para que cada companhia possa adaptá-la da maneira que faça mais sentido ao seu negócio.


Para fazer o download gratuito clique aqui.



Série de vídeos sobre eficiência energética em edificações

Série de 8 vídeos do  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente apresentam maneiras eficazes de reduzir o consumo de energia 



Entre outras coisas a série demonstra a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia e o Projetee.
Está em formato de pequenas entrevistas e demonstração das reuniões com os envolvidos nos projetos e está muito bem produzida.

Os seis primeiros vídeos tratam do funcionamento da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE), uma classificação de edifícios segundo a eficácia dos sistemas de iluminação, ar condicionado e o exterior do prédio. No Brasil, o setor de edificações representa 40% do total de eletricidade consumida no país.

Já o sétimo vídeo é relacionado ao Projetee, uma ferramenta voltada para universitários e projetistas iniciantes que fornece orientações para projetos de edificações energicamente eficientes. O último vídeo da série é sobre o aquecimento solar da água.

A PNUD e o Governo Federal, além disso, também estão desenvolvendo o projeto Transformação do Mercado de Eficiência Energética no Brasil (Projeto 3E), que busca influenciar o mercado de eficiência energética em edificações comerciais e públicas, estimulando a economia de eletricidade e a redução de emissões dos gases de efeito estufa.

Um dos ramos do projeto é a capacitação em etiquetagem - classificação do nível de eficiência energética dos edifícios - para os setores público e privado. A metodologia de categorização é diferente de acordo com a destinação do prédio: público, privado ou residencial. Além disso, pode ocorrer em dois momentos: na fase de projeto ou após a construção do edifício.

Assista o primeiro episódio no vídeo abaixo e os demais estão na playlist do canal.


quarta-feira, 25 de maio de 2016

Acesso a biblioteca sustentável Ecovida

Olá,

Acesse agora a nossa biblioteca sustentável grátis !

A humanidade consome hoje 50% mais recursos naturais renováveis do que a Terra é capaz de repor, precisamos tomar medidas globais para diminuir os riscos, como a construção de cidades mais sustentáveis.
Acesse em nossa biblioteca sustentável diversos títulos sobre os mais variados assuntos relacionados a sustentabilidade:

Muitos títulos em E Book sobre os mais diversos assuntos relacionados a sustentabilidade:

- Sustentabilidade Empresarial 
- Sustentabilidade Corporativa 
- Gestão de resíduos
- Gestão Ambiental
- Energias Renováveis
- Ervas medicinais
- Construção sustentável
- Produtos naturais
- Permacultura  
- Agroecologia e muito mais.

Para acessar a nossa biblioteca clique aqui.



Confirmação acesso biblioteca sustentável

Olá, 

Obrigado por se inscrever em nossa lista, você receberá imediatamente um e mail com o link para o acesso a nossa biblioteca sustentável com diversos E books sobre sustentabilidade, ecologia, energia sustentável, agroecologia, dicas e muito mais.

E você receberá também em seu e mail atualizações da nossa biblioteca, cursos online grátis e muitas novidades na área da sustentabilidade, sendo empresarial, corporativa, na construção civil e social.






terça-feira, 24 de maio de 2016

Novo painel solar transparente

E cada vez mais tecnologia vem surgindo para as diversas possibilidades de geração de energia limpa em conexão com a natureza.


Poderemos aplicar esse painel solar transparente nas janelas dos edifícios gerando uma grande área de captação de energia sem modificar a estrutura visual do empreendimento.

Os painéis tradicionais captam a luz infravermelha pelas tiras fotovoltaicas sobre a placa. Mas a luz captada pelas bactérias é invisível a olho nu, e por isso os painéis ficam transparentes.
Tentativas anteriores de criar painéis solares translúcidos resultaram em produtos que mais parecia vitrais ou vidros fumê, pois necessitavam de sistemas fotovoltaicos embutidos.
Os novos painéis poderiam ser usados em janelas, por exemplo, tornando-se invisíveis sem interferir na decoração ou projeto arquitetônico.
A tecnologia é capaz de converter cerca de 1% da luz que passa através deles em energia, mas seus criadores pretendem aumentar esse número até 5%. O painel mais eficiente do mundo tem aproveitamento de 40%.




segunda-feira, 23 de maio de 2016

Globo solar fotovoltaico gera energia até com a luz da lua


Equipamento capaz de produzir até 70% mais energia fotovoltaica do que os painéis convencionais.




O arquiteto alemão André Broessel desenvolveu e já comercializa os globos solares, equipamentos capazes de produzir até 70% mais energia fotovoltaica do que os painéis convencionais. Chamado de Rawlemon, o coletor é uma esfera de vidro que faz a refração da luz num raio concentrado. Totalmente sensível à luminosidade – até das nuvens –, o dispositivo é capaz de seguir a trajetória do sol ao longo do dia e aproveitar o clarão da lua, gerando energia limpa durante a noite.
O responsável pelo globo solar levou três anos para finalizar o produto, que, ao contrário das placas convencionais, possui um design atraente e ocupa pouco espaço, podendo ser instalado em diversos locais. A intenção é fazer os globos solares entrarem no mercado em larga escala, com preços mais acessíveis do que os painéis comuns.
O conceito do dispositivo é baseado num princípio básico de física, fazendo a refração da luz num raio. Como uma lente esférica, o globo solar foi chamado pela imprensa internacional de “bola de cristal” e possui um rastreador que acompanha a rota da luz, do amanhecer ao pôr do sol. Durante a noite ou quando o tempo está nublado, o dispositivo busca a orientação da luminosidade mais intensa, gerando energia ininterruptamente.
De acordo com Broessel, a eletricidade é armazenada nas baterias do sistema, e o coletor é capaz de abastecer uma residência ou um estabelecimento comercial. Assim, o criador espera tornar a tecnologia cada vez mais viável. “Nós só podemos tornar isso possível se nossos produtos forem acessíveis a todos, e, para isso, necessitamos do seu apoio na campanha”, explica Broessel.
Para conhecer o site dos desenvolvedores clique aqui.




domingo, 22 de maio de 2016

Saiba o que é o selo de qualidade ACQUA - Construções sustentáveis

O selo ACQUA significa - Alta Qualidade Ambiental



É a 1ª norma brasileira para certificação de construções sustentáveis. Ele considera as especificidades do nosso país e utiliza 14 critérios para analisar os edifícios (da gestão da obra ao seu funcionamento posterior).
Sua criação traz maior competitividade aos empresários brasileiros, já que internacionalmente são exigidos selos desta natureza para que obras tenham reconhecimento. Como o Processo AQUA atende às necessidades legislativas, de clima e de fontes de energia do Brasil, é mais adaptado à nossa realidade do que selos como o LEED muito utilizado mundialmente.

Sua aplicação permite a redução do consumo de água, energia, CO2 e matérias primas, aumentando a qualidade de vida dos usuários e o desenvolvimento sócio-econômico-ambiental da região.

Como surgiu o AQUA:

Sua criação foi inspirada no selo francês HQE. Os criadores do AQUA consideram que tanto a França, como a Europa como um todo, estão bem adiantados nas pesquisas por soluções ambientais.

Data de criação: 03 de abril de 2008
Criador: Fundação Vanzolini, instituição privada, sem fins lucrativos, criada e gerida pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP)

Como o empreendedor consegue o selo?

É necessário ter o controle total do projeto em todas as suas fases, por meio do Sistema de Gestão do Empreendimento (SGE) – considerado a “coluna vertebral” da certificação - para que sejam atendidos os critérios de desempenho da Qualidade Ambiental do Edifício (QAE) – expressa em 14 categorias.

A certificação é concedida ao final de cada fase (e válida até o fim da próxima), após auditorias presenciais precedidas de análises técnicas. Estas são as fases:

Programa
Concepção (Projeto)
Realização (Obra)
Operação (Uso)

Quais critérios são considerados pelo AQUA?
São analisadas 14 categorias (conjuntos de preocupações), que se pode reunir em 4 famílias:

Sítio e Construção

1 - Relação do edifício com o seu entorno
2 - Escolha integrada de produtos, sistemas e processos construtivos. Canteiro de obras com baixo impacto ambiental

Gestão

3 - Gestão da água
4 - Gestão da energia
5 - Gestão dos resíduos de uso e operação do edifício
6 - Manutenção: permanência do desempenho ambiental

Conforto

7 - Conforto higrotérmico
8 - Conforto acústico
9 - Conforto visual
10 - Conforto olfativo

Saúde

11 - Qualidade sanitária dos ambientes
12 - Qualidade sanitária do ar
13 - Qualidade sanitária da água

* Os parâmetros podem ser considerados de modo diferenciado em função dos tipos de ambientes e seus usos. Exemplo: critérios 8 a 13.

Como é a classificação?

Diferentemente do LEED, que considera pontos para avaliar cada critério, o Processo AQUA realiza uma avaliação a partir dos 14 critérios e emite uma classificação:

Bom: é o mínimo aceitável para um empreendimento de Alta Qualidade Ambiental
Superior: possui boas práticas de sustentabilidade
Excelente: corresponde aos desempenhos máximos constatados em empreendimentos de Alta Qualidade Ambiental

Este perfil de Qualidade Ambiental do Edifício (QAE) é próprio a cada contexto, assim como a cada empreendimento e sua pertinência deve ser justificada a partir de vários itens, como análise do local, dos custos, das características funcionais do empreendimento, dentre outros.
É exigido que o perfil de desempenho nas 14 categorias do Processo AQUA seja pelo menos Excelente em 3 categorias, Superior em 4 e Bom em 7.

Conclusão

O selo traz um retorno positivo para o empreendedor, por funcionar como marketing e mostrar que a empresa está interessada em soluções ambientais, sociais e econômicas.
A economia de água, energia, equipamentos e materiais são significativos ao longo do tempo e quem trabalha em ambientes inteligentes (com conforto, saúde e segurança) tem maior rendimento, aumentando sua produtividade.
Uma das grandes vantagens da Certificação Processo AQUA para o Brasil, segundo o site da Fundação Vanzolini, é o de que ele contém critérios adaptados ao país que exigem resultados de desempenho, não prescrevendo soluções de projeto pré-concebidas.

Investimento a longo prazo

Experiências de construções certificadas têm mostrado que, em poucos anos, um empreendimento recupera o que foi investido no projeto: com economia de água, de energia e em manutenção de equipamentos, e com uso do material adequado. Também existe um aumento concreto de produtividade dos empregados pelo fato de trabalharem com conforto, saúde e segurança.

A idéia é que, daqui pra frente, cada vez mais, tenhamos setores preocupados em construir de maneira sustentável. "Até termos bairros, cidades e países sustentáveis", sugere Patrick.

Nos últimos cinco anos, as construções fizeram progressos consideráveis, mas ainda será necessário mudar o paradigma: ao mesmo tempo em que as construtoras estão sob pressão para projetar e construir em um curto espaço de tempo e a custos baixos, o grande desafio será fazê-lo sem deixar de lado as reflexões necessárias para garantir qualidade e sustentabilidade às edificações. 

Além disso, por enquanto, a certificação avalia os procedimentos até a entrega do prédio, sendo que, mais de 80% do consumo acontece em sua fase operacional. Portanto, é preciso pensar em medidas para certificar a obra durante sua vida útil.

Uma das novidades para um futuro bem próximo é a construção de edifícios que funcionem como filtros de ar - tanto para que o ar chegue limpo a seu interior, como para que seja devolvido limpo à atmosfera. 

Com tantas demandas - e tantas possibilidades de inovação - será necessário formar, desde já, profissionais que sejam capazes de propor boas soluções de engenharia e arquitetura a custos viáveis.

Fonte Consultada

Fundação Vanzolini. 


sábado, 21 de maio de 2016

Curso grátis Arquitetura e Urbanismo Sustentável


Curso grátis com certificado de Arquitetura e Urbanismo Sustentável.




O instituto Indesfor traz este curso grátis com certificado onde mostra uma visão onde a arquitetura e Urbanismo trabalham juntos com relação a sustentabilidade.

"A aceleração dos processos de urbanização eleva o consumo dos recursos naturais a níveis nunca vistos e resulta na consequente geração de poluição e resíduos no que desrespeito a arquitetura e Urbanismo. A busca por esse objetivo cabe a todos os envolvidos no projeto e na construção do ambiente edificado. É um trabalho coletivo em que todos devem fazer sua parte e, ao mesmo tempo, incentivar os demais a fazê-lo."

Este Curso tem carga horária de 80h/a

Conteúdos Ministrados:

Lição 01: Introdução
Lição 02: A busca da solução
Lição 03: Sustentabilidade nos empreendimentos
Lição 04: Caractérísticas e recursos naturais
Lição 05: Infraestrutura urbana
Lição 06: Vizinhança e comunidade local
Lição 07: Aspectos urbanos, paisagens e mobilidade
Lição 08:Acessibilidade desenh universal e segurança
Lição 09: Matériais e resíduos
Lição 10: Água efluentes e energia
Liçaõ 11: Salubridade operação e manutenção
Lição 12: Referências Bibliográficas

Faça a sua inscrição, clique aqui.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Banco dos BRICS aprova US$ 800 milhões para projetos de energia renovável




Como prometido, o primeiro financiamento liberado pelo novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS será para projetos de energia renovável.


Em franca expansão, o mercado de energias renováveis recebe mais esse grande incentivo, aos poucos o mundo vai mudando a sua matriz energética e nos aproximamos de um futuro mais consciente.

O novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) aprovou o financiamento de um total de US$ 811 milhões a bancos e instituições para o investimento em projetos de energia renovável. O anúncio confirma as diversas declarações do presidente do banco, KV Kamath, afirmando que o primeiro financiamento da instituição financeira seria para renováveis.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do Brasil recebeu o maior valor para investimentos, com total de US$ 300 milhões. A linha de crédito será usada para a geração de 600 MW de energia por meio de fontes renováveis. O banco Indiano Canara Bank vai receber US$ 250 milhões, sendo US$ 75 milhões reservados para a geração de 500 MW de energia renovável.

A companhia sul-africana Eskom Holding SOC Ltd vai receber o financiamento de US$ 180 milhões, que serão usados para a implementação de redes de transmissão e geração de energia renovável. A Eskom precisa melhor a sua rede de transmissão para poder suprir o aumento recente da capacidade elétrica no país devido a novas fontes de energia renovável. O financiamento também será usado para gerar mais 500MW em renováveis.

A empresa chinesa Shanghai Lingang Hongbo New Energy Development Co. vai receber US$ 81 milhões para financiar a geração de 100MW por meio de painéis solares.

Além do valor anunciado, o Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS deverá liberar novos fundos para investimento em projetos de energia renovável. A demanda por esse tipo de financiamento é alta em todos os países membros dos BRICS, exceto a Rússia. A China e a Índia possuem as mais altas metas para uso de renováveis no mundo. A África do Sul e o Brasil também possuem objetivos muito ambiciosos em relação a geração de energia renovável.